Menu

Histórias, poemas, culinária e ancestralidade permearam a segunda semana do Encontro Longeviver 2021

O encontro mostrou formas de longeviver melhor por meio da cultura e gastronomia

A segunda semana do Encontro Longeviver 2021 teve uma programação saborosa e repleta de histórias e poemas. Dia 15 de setembro, Patrícia Brito esteve à frente do “Sabores e Memórias da Cozinha”. Cozinheira experimental, pesquisadora alimentar, Patrícia atua sobretudo com memória gustativa e é especializada em política patrimonial no campo da arquitetura e da imaterialidade. “O meu trabalho na cozinha perpassa muito pela discussão da memória dos nossos ancestrais, dos nossos indígenas, das nossas vilas”, afirmou. Patrícia Lacerda, coordenadora geral do grupo Meninas de Sinhá, fez a mediação desse bate-papo sobre a conexão entre alimentação e ancestralidade.

O público aproveitou para interagir, fazer perguntas e compartilhar receitas, modos de cozinhar e memórias que fizeram parte de suas raízes. Ao final, Patrícia Brito deixou todo mundo com água na boca com a farofa preparada durante o encontro.

Cozinhando e conversando o público fez parte da cozinha da Patrícia Brito

Já no dia 17 de setembro, sexta-feira, o Encontro Longeviver teve workshop, poesia e muita história boa. Os convidados para essa data foram o médico e gerontólogo Alexandre Kalache; a escritora, ficcionista e ensaísta Conceição Evaristo; além das cantadeiras Seninha e Pretinha, integrantes do grupo Meninas de Sinhá. Todas essas pessoas incríveis estiveram juntas no encontro “Histórias e poemas para longeviver melhor”. Foi uma conversa marcada por muita emoção e aprendizado de todos os lados. “Você própria falou numa entrevista, Conceição (Evaristo), que não é a história científica que nos ensina, é a história dos contos contados, das palavras ouvidas, das memórias, da oralidade”, disse Kalache.

Ao longo do bate-papo, as convidadas contaram como estão enfrentando a pandemia. “Cada dia eu tenho que estar sempre renovando, fazendo esse exercício, acreditando que essa situação vai acabar um dia”, pontuou Evaristo. As Meninas de Sinhá também deram dicas como elas estão driblando esta fase tão difícil para a maioria das pessoas. “Eu só assisto à televisão duas coisas, procuro ler, ouvir música, bordar. De vez em quando vai gente lá pra casa e a gente canta”, acrescentou Pretinha. Seninha também deu sua receita atrelada à fé: “Eu prefiro ver as emissoras que transmitem o terço, a missa, as orações e notícias mais leves”, completou. 

“Se o povo negro não tivesse essa vocação para a felicidade, essa persistência para sobreviver, para vencer todas as dificuldades, as primeiras pessoas escravizadas teriam morrido. Aliás, nem chegariam aqui no Brasil.”
Conceição Evaristo

Essa e todas as outras atividades estão disponíveis para rever no YouTube das Meninas de Sinhá: youtube.com/Meninasdesinha. Nesta semana, haverá, ainda, um encontro com as Mulheres do Jequitinhonha, uma ginástica super animada com Aurélio Alfiere e, para finalizar, apresentação musical com Joaci Ornelas.

O Segundo Encontro Longeviver acontece de 4 a 28 de setembro e tem patrocínio da Cemig, Société Générale, Vale, Instituto Lojas Renner, Gerdau e TK Elevator e realização do Grupo Cultural Meninas de Sinhá. Este projeto tem o incentivo do Fundo Municipal do Idoso e da Prefeitura de Belo Horizonte.

Ler Mais